LIVRO VOZES DE ARUANDA EM PDF

Fenrijora As energias dos desejos masculinos acumulam-se na aura da mulher vaidosa e invigilante. O Grande Sacerdote se levantou e perguntou a Jesus: Aproveite para conversar com todos sobre a festa. Pensa em largar tudo. Estados vibracionais como estes podem atrair parasitas espirituais que agravam o quadro.

Author:Kiran Vugrel
Country:Somalia
Language:English (Spanish)
Genre:Personal Growth
Published (Last):12 December 2005
Pages:113
PDF File Size:8.32 Mb
ePub File Size:16.15 Mb
ISBN:717-5-97082-243-5
Downloads:55416
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Mushura



Estrela azul de Dharma, Farol de nosso Dever! Libertai-nos do mau carma, Ensinai-nos a viver! Com os nossos irmos de Marte Faamos uma orao-. Que nos ensinem a arte Da Grande Harmonizao! Do entrelaamento dessas duas almas apaixonadas nasce uma criana.

Um menino, cabelos negros como bano, pele na cor do cobre claro, olhos aveludados no tom do castanho escuro, iluminados de ternura. O esprito que ali reencarnava, trazia gravada na memria espiritual a misso de estimular as almas desejosas de conhecer a verdade. Aquela criana cresce demonstrando inteligncia fulgurante, fruto de experincias adquiridas em encarnaes anteriores. Foi instrutor em um dos muitos santurios iniciticos na ndia. Era muito inteligente e desencarnou bastante moo.

J se havia distinguido no sculo IV, tendo participado do ciclo ariano, nos acontecimentos que inspiraram o famoso poema hindu "Ramaiana", neste poema h um casal, Rama e Sita, que smbolo inicitico de princpios masculino e feminino; unindo-se Rama e atis, Sita ao inverso, resulta Ramaatis, como realmente se pronuncia em Indochins Um pico que conte todas as informaes dos Vedas que juntamente com os Upanishades, foram as primeiras vozes da filosofia e da religio do mundo terrestre, informa Ramatis que aps certa disciplina inicitica a que se submetera na china, fundou um pequeno templo inicitico nas terras sagradas da ndia onde os antigos Mahatmas criaram um ambiente de tamanha grandeza espiritual para seu povo, que ainda hoje, nenhum estrangeiro visita aquelas terras sem de l trazer as mais profundas impresses cerca de sua atmosfera psquica.

Foi adepto da tradio de Rama, naquela poca, cultuando os ensinamentos do "Reino de Osiris", o Senhor da Luz, na inteligncia das coisas divinas. Mais tarde, no Espao, filiouse definitivamente a um grupo de trabalhadores espirituais cuja insgnia, em linguagem ocidental, era conhecida sob a pitoresca denominao de "Templrios das cadeias do amor". Rama o nome que se d a prpria divindade, o Criador cuja fora criadora emana ; um Mantram: os princpios masculino e feminino contidos em todas as coisas e seres.

Ao pronunciarmos seu nome Ramaatis como realmente se pronuncia, saudamos o Deus que se encontra no interior de cada ser. Parte II O templo por ele fundado foi erguido pelas mos de seus primeiros discpulos. Cada pedra de alvenaria recebeu o toque magntico pessoal dos futuros iniciados.

Nesse templo ele procurou aplicar a seus discpulos os conhecimentos adquiridos em inmeras vidas anteriores. Na Atlntida foi contemporneo do esprito que mais tarde seria conhecido como Alan Kardec e, na poca, era profundamente dedicado matemtica e s chamadas cincias positivas. Posteriormente, em sua passagem pelo Egito, no templo do fara Mernefta, filho de Ramss, teve novo encontro com Kardec, que era, ento, o sacerdote Amenfis. No perodo em que se encontrava em ebulio os princpios e teses esposados por Scrates, Plato, Digenes e mais tarde cultuados por Antstenes, viveu este esprito na Grcia na figura de conhecido mentor helnico, pregando entre discpulos ligados por grande afinidade espiritual a imortalidade da alma, cuja purificao ocorreria atravs de sucessivas reencarnaes.

Seus ensinamentos buscavam acentuar a conscincia do dever, a auto reflexo, e mostravam tendncias ntidas de espiritualizar a vida. Nesse convite a espiritualizao inclua-se no cultivo da msica, da matemtica e astronomia. Cuidadosamente observando o deslocamento dos astros conclui que uma Ordem Superior domina o Universo.

Muitas foram suas encarnaes, ele prprio afirma ser um nmero sideral. O templo que Ramatis fundou, foi erguido pelas mos de seus primeiros discpulos e admiradores. Alguns deles esto atualmente reencarnados em nosso mundo, e j reconheceram o antigo mestre atravs desse toque misterioso, que no pode ser explicado na linguagem humana.

Embora tendo desencarnado ainda moo, Ramatis aliciou 72 discpulos que, no entanto, aps o desaparecimento do mestre, no puderam manter-se a altura do padro inicitico original. Eram adeptos provindos de diversas correntes religiosas e espiritualistas do Egito, ndia, Grcia, China e at mesmo da Arbia. Apenas 17 conseguiram envergar a simblica "Tnica Azul" e alcanar o ltimo grau daquele ciclo inicitico. Em meados da dcada de 50, exceo de 26 adeptos que estavam no Espao desencarnados cooperando nos trabalhos da "Fraternidade da Cruz e do Tringulo", o 11 restante havia se disseminado pelo nosso orbe, em vrias latitudes geogrficas.

Destes, 18 reencarnaram no Brasil, 6 nas trs Amricas do Sul, Central e do Norte , e os demais se espalharam pela Europa e, principalmente, pela sia. Em virtude de estar a Europa atingindo o final de sua misso civilizadora, alguns dos discpulos l reencarnados emigraro para o Brasil, em cujo territrio - afirma Ramatis - se encarnaro os predecessores da generosa humanidade do terceiro milnio.

A Fraternidade da Cruz e do Tringulo, foi resultado da fuso no sculo passado, na regio do Oriente, de duas importantes "Fraternidades" que operavam do Espao em favor dos habitantes da Terra. Trata-se da "Fraternidade da Cruz", com ao no Ocidente, divulgando os ensinamentos de Jesus, e da "Fraternidade do Tringulo", ligada tradio inicitica e espiritual do Oriente.

Aps a fuso destas duas Fraternidades Brancas, consolidaram-se melhor as caractersticas psicolgicas e objetivo dos seus trabalhadores espirituais, alterandose a denominao para "Fraternidade da Cruz e do Tringulo" da qual Ramatis um dos fundadores. Supervisiona diversas tarefas ligadas aos seus discpulos na Metrpole Astral do Grande Corao. Segundo informaes de seus psicgrafos, atualmente participa de um colegiado no Astral de Marte.

Seus membros, no Espao, usam vestes brancas, com cintos e emblemas de cor azul claro esverdeada. Sobre o peito trazem delicada corrente como que confeccionada em fina ourivesaria, na qual se ostenta um tringulo de suave lils luminoso, emoldurando uma cruz lirial.

Asseguram-nos alguns mentores que todos os discpulos dessa Fraternidade que se encontram reencarnados na Terra so profundamente devotados s duas correntes espiritualistas: a oriental e a ocidental. Cultuam tanto os ensinamentos de Jesus, que foi o elo definitivo entre todos os instrutores terrqueos, tanto quanto os labores de Antlio, de Herms, de Buda, assim como os esforos de Confcio e de Lao-Tseu.

Soubemos que da fuso das duas "Fraternidades" realizada no espao, surgiram extraordinrios benefcios para a Terra. Alguns mentores espirituais passaram, ento, a atuar no Ocidente, incumbindo-se mesmo da orientao de certos trabalhos espritas, no campo medinico, enquanto que outros instrutores ocidentais passaram a atuar na ndia, no Egito, na China e em vrios agrupamentos que at agora eram exclusivamente supervisionados pela antiga Fraternidade do Tringulo.

Parte III Os Espritos orientais ajudam-nos em nossos trabalhos, ao mesmo tempo em que os da nossa regio interpenetram os agrupamentos doutrinrios do Oriente, do que resulta ampliarse o sentimento de fraternidade entre Oriente e Ocidente, bem como aumentar-se a oportunidade de reencarnaes entre espritos amigos. Os orientais so lunares, meditativos, passivos e desinteressados geralmente da fenomenologia exterior; os ocidentais so dinmicos, solarianos, objetivos e estudiosos dos aspectos transitrios da forma e do mundo dos Espritos.

Os antigos fraternistas do "Tringulo" so exmios operadores com as "correntes teraputicas azuis", que podem ser aplicadas como energia balsamizante aos sofrimentos psquicos, cruciais, das vtimas de longas obsesses. As emanaes do azul claro, com nuanas para o esmeralda, alm do efeito balsamizante, dissociam certos estigmas "prreencarnatrios" e que se reproduzem periodicamente nos veculos etricos.

Ao mesmo tempo, os fraternistas da "Cruz", conforme nos informa Ramatis, preferem operar com as correntes alaranjadas, vivas e claras, por vezes mescladas do carmim puro, visto que as consideram mais positivas na ao de aliviar o sofrimento psquico.

Eles sabem que a eliminao rpida da dor pode extinguir os efeitos, mas as causas continuam gerando novos padecimentos futuros. Preferem, ento, regular o processo do sofrimento depurador, em lugar de sust-lo provisoriamente. No primeiro caso, esgota-se o carma, embora demoradamente; no segundo, a cura um hiato, uma prorrogao crmica. Apesar de ainda polmicos, os ensinamentos deste grande esprito, despertam e elevam as criaturas dispostas a evoluir espiritualmente.

Ele fala corajosamente a respeito de magia negra, seres e orbes extra-terrestres, mediunismo, vegetarianismo etc. Estas obras 15 Psicografadas pelo saudoso mdium paranaense Herclio Maes sabemos que 9 exemplares no foram encontrados depois do desencarne de Herclio Aqueles que j possuem caractersticas universalistas, rapidamente se sensibilizam com a retrica ramatisiana.

Para alguns iniciados, Ramats se faz ver, trajado tal qual Mestre Indochins do sculo X, da seguinte forma, um tanto extica: Uma capa de seda branca translcida, at os ps, aberta nas laterais, que lhe cobre uma tnica ajustada por um cinto esmeraldino. As mangas so largas; as calas so ajustadas nos tornozelos similar s dos esquiadores. Os sapatos so constitudos de uma matria similar ao cetim, de uma cor azul esverdeado, amarrados com cordes dourados, tpicos dos gregos antigos. Na cabea um turbante que lhe cobre toda a cabea com uma esmeralda acima da testa ornamentado por cordes finos e coloridos, que lhe caem sobre os ombros, que representam antigas insgnias de atividades iniciticas, nas seguintes cores com os significados abaixo: Carmim - O Raio do Amor 13 Amarelo - O Raio da Vontade Verde - O Raio da Sabedoria Azul - O Raio da Religiosidade Branco - O Raio da Liberdade Reencarnatria Esta uma caracterstica dos antigos lemurianos e atlantes.

Sobre o peito, porta uma corrente de pequenos elos dourados, sob o qual, pende um tringulo de suave lils luminoso emoldurando uma cruz lirial. A sua fisionomia sempre terna e austera, com traos finos, com olhos ligeiramente repuxados e ts morena. Muitos videntes confundem Ramats com a figura de seu tio e discpulo fiel que o acompanha no espao; Fuh Planu, este se mostra com o dorso nu, singelo turbante, calas e sapatos como os anteriormente descritos.

Esprito jovem na figura humana reencarnou-se no Brasil e viveu perto do litoral paranaense. Excelente repentista, filsofo sertanejo, verdadeiro homem de bem. Segundo Ramats, seus 18 remanescentes, se caracterizam por serem universalistas, anti-sectrios e simpatizantes de todas as correntes filosficas e religiosas.

Dentre estes 18 remanescentes, um j desencarnou e reencarnou novamente: Atanagildo; outro, j desencarnado, muito contribuiu para obra ramatiziana no Brasil - O Prof. Herclio Maes, outro Demtrius, discpulo antigo de Ramats e Dr. No templo que Ramatis fundou na ndia, estes discpulos desenvolveram seus conhecimentos sobre magnetismo, astrologia, clarividncia, psicometria, radiestesia e assuntos quirolgicos aliados fisiologia do "duplo-etrico".

Os mais capacitados lograram xito e poderes na esfera da fenomenologia medinica, dominando os fenmenos de levitao, ubiqidade, vidncia e psicografia de mensagens que os instrutores enviavam para aquele cenculo de estudos espirituais.

Mas o principal "toque pessoal" que Ramatis desenvolveu em seus discpulos, em virtude de compromisso que assumira para com a fraternidade do Tringulo, foi o pendor universalista, a vocao fraterna, crstica, para com todos os esforos alheios na esfera do espiritualismo. Ele nos adverte sempre de que os seus ntimos e verdadeiros admiradores so tambm incondicionalmente simpticos a todos os trabalhos das diversas correntes religiosas do mundo.

Revelam-se libertos do exclusivismo doutrinrio ou de dogmatismos e devotam-se com entusiasmo a qualquer trabalho de unificao espiritual. O que menos os preocupa so as questes doutrinrias dos homens, porque esto imensamente interessados nos postulados crsticos. Como os orixs so emanaes do Todo csmico, aspectos peculiares da Divindade Una que se manifestam em nosso Universo por sutis vibraes, sendo imanentes e onipresentes aos planos dimensionais do Cosmo e aos seres vivos que neles habitam, logicamente no so conscincias individualizadas.

No habitam nenhum corpo sutil e muito menos incorporam, por serem vibraes manifestadas diretamente do "hlito" de Deus, sendo a imanncia e a onipresena "qualidades" particulares do Divino.

Informam-nos os amigos espirituais que Aruanda, uma terminologia comum nos terreiros, designa as colnias espirituais do plano astral superior ligadas umbanda, plasmadas pela Alta Confraria Csmica que deu origem a esse movimento na Terra, com a permisso direta do governador planetrio, o Cristo-Jesus.

Objetiva abrigar os espritos que tm as tarefas de dirigir a umbanda, com as formas astrais de pretos as velhos as , caboclos as e crianas. Assim, existem enormes cidades espirituais, como as do antigo Egito, que abrigam os pretos as velhos as , e gigantescas tribos de silvcolas que habitam planaltos e montanhas de mata verdejante, entre rios e lagos de riqussima fauna e flora, inexistentes na Terra.

Todas essas coletividades espirituais do Alm contam com muita tecnologia que, por enquanto, ainda no nos permitido conhecer, inclusive com estaes interplanetrias de extraterrestres que suportam a constante movimentao de naves de outras estrelas, de civilizaes que esto auxiliando na evoluo deste diminuto planeta azul.

Hoje esta preta velha vai falar de maneira articulada, de acordo com a psicologia transpessoal da Nova Era, adequada aos esforados leitores espiritualistas. A psicologia do terreiro, no seu linguajar popular, para que atinjamos os espritos dos simples, mesmo alguns semi-analfabetos.

Um homem do povo, brasileiro, diante de uma "dtora", ou erudita abadessa, exmia psicloga do autoconhecimento, de portugus aprimorado na escrita e na oralidade, ficar inibido, no abrindo o seu corao. Por isso, nos apresentamos como uma vov preta nos terreiros e uma freira nas mesas, trabalhando com mais de um aparelho medinico. A cada um dado de acordo com a sua necessidade de esclarecimento.

A Umbanda, que no doutrina ningum, evangeliza chegando prximo das coisas "pequenas" do dia-a-dia. E, com essa sintonia, com amor e humildade, vai fazendo os homens reverem seus valores, repensando suas condutas, interiorizando e alargando os ensinamentos do Cristo-Jesus. Nesta poca de liberdade, em que se anuncia nas listas da Internet os princpios mais diversos, o psiquismo cresce em importncia e o animismo perde o garrote da mistificao.

Raro o fenmeno medinico isolado, como exgua a manifestao to-somente anmica. Se o ente sintoniza com uma comunidade de espritos perdidos e presos no passado por exemplo, em situao de guerra, acidentes violentos, torturas, magia -, sentir repercusso vibratria prejudicial pelo processo medinico mrbido, quase certamente antecedido de uma sndrome de ressonncia com o passado, o que um fenmeno anmico.

A sintonia medinica antecedida de um fenmeno anmico, como, por exemplo, a passividade clssica, que a deliberao da vontade da alma do mdium permitindo o contato fludico com outro esprito, no caso desencarnado. Observem que existe o transtorno anmico sem mediunismo, e "impossvel" a sintonia medinica sem a alma do encarnado, o animismo, salvo em mdiuns totalmente inconscientes que outrora no conseguiam controlar as manifestaes.

Na atualidade, no reencarnam mais mdiuns inconscientes. Ao menos at autorizao em contrrio dos maiorais do Espao. Na apometria, se detalha os transtornos anmicos, com clareza. Aumenta a responsabilidade, no encadeamento das leis de causa e efeito, dos que lidam com a apometria; ela geradora de carma, bom ou ruim, de acordo com a inteno e a conscincia de quem est aplicando a tcnica.

Tentaremos exemplificar. Numa primeira situao, uma me aturdida com o filho "adolescente" de 24 anos, agressivo, anti-social, que eventualmente se droga, e est namorando uma mulher mais velha, vai a um "pai-de-santo", num determinado terreiro, e pede que d um jeito. A me "amorosa" contrata trabalho "forte", que resolve.

BHAJA GOVINDAM LYRICS TELUGU PDF

Ramatis Vozes de Aruanda

.

CRNBC STANDARDS OF PRACTICE PDF

Vozes de aruanda.pdf

.

Related Articles